sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

SEM DEIXAR VESTIGIOS

Não te impressiones com meus escritos
Sao apenas um momento
Uma tentativa de expulsar o que me envolve naquele instante
mas que passa como um vento
sem deixar vestígios 
Sem conseguir traduzir tudo que me vai  pelo coração
poesia que, como uma pintura ou uma fotografia,
apenas captam um fragmento da mente 
palavras sem maldade…  
daquele instante 
Sem necessariamente 
Dizer toda a verdade...


M M 

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

PRINCIPESSA

Principessa

Ela tem qualidades que a natureza 
dá  tão graciosamente a uma mulher
mas nela se encaixam com perfeição.
Tem sonhos 
Tem intensidade exalada pelos poros
da lisa pele que a envolve
e tão graciosamente recebe meus dedos
cuidadosos e ávidos…cheios de paixão.

Ela tem a inteligencia
da humanidade inteira 
e me encanta,  me espanta 
e  me faz ver no seu olhar 
a poesia verdadeira

Linda, curiosa
menina que goza
em pele de fêmea
e entrega o prazer sem medida 
ao principe `as avessas
imperfeito, mas que tenta ser 
o que ela espera da vida. 


M M 

domingo, 14 de agosto de 2016

Sombra Livre.

sou uma sombra que pedala livre por ai
que conhece os capins e os lagos
mais de perto que meu dono
rodo livre, feliz e leve
sem interferir na paisagem...
um unico instante
Uma sombra livre
apoiada no nada... Errante !

terça-feira, 24 de maio de 2016

PUDE SENTIR

Você passou a tarde de domingo
olhos nos olhos comigo
Tua claridade invadindo meu olhar
o encantamento a crescer
e me ocupar a alma...

Sabedor da impossibilidade
a cada olhar
meu coração e a razão
entravam em luta feroz ...
e eu sem entender
esse encantamento tão veloz
essa afinidade
vinda de tempos imemoriais.

Pude ver nos seus olhos
no aperto das mãos, que éramos iguais.
Pude sentir a proximidade
até, que veio o abraço.
Tremi...

Agora,
não sei mais o que faço.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

VOLTAR PARA CASA



Não tenho mais um lar

A muitos, muitos anos não tenho um.

Sinto-me, no espaço que habito, como se fora um hóspede

Que não faz a menor diferença estar ali...

Volto , após um dia de trabalho

Para o lugar onde tenho algumas roupas limpas

Uma cama e um chuveiro,

o computador onde trabalho um pouco mais

e onde me sinto querido e importante

Para alguns amigos virtuais.

Que sensação deliciosa era saber

que me esperavam ao pé da escada

Contavam os minutos para minha chegada

”O papai vai chegar”...

Hoje, não me esperam e, se chego ou não

As caras são as mesmas e nada é importante

A não ser o fato de eu ter trazido o pão.

Essa sensação de desamor pesa-me nos ombros

como um fardo que carrego e a cada passo me parece mais pesado

Estou ali, porque ali há um teto

Pago por ele e não posso pagar outro, ainda não.

Ali não é mais meu lar

Minha filha cresceu, mora em outra cidade

E volta como quem vem para uma pensão.

A mulher que tive

Só me tem indiferença e rejeição

Estou ali como um abat jour no canto da sala

Como se fora mera decoração....

Um silêncio escorre triste pelas paredes

E por entre nossos olhares que não se procuram

nem vão se encontrar

Há uma espécie de bolor sentimental crescendo por todos os lados

Dessa casa que já não é mais o meu lar.

MMartins

Janeiro de 2010

sábado, 28 de novembro de 2009

ORQUIDEA NO ABISMO


Numa tarde de sombras
ventos fortes
possibilidades

avistei uma linda flor à beira de um penhasco...
Mesmo sob a ótica
do bom montanhista que me tornei

não vi possibilidade qualquer
de poder tocá-la.


Meu coração

encheu-se de encantamento e paixão

mas , nem por um momento
imaginei colocar-lhe a mão
não que vontade me faltasse de chegar

mas a vida

não nos permite a posse
do que não podemos carregar....

Tirá-la dali

do seu lugar

seria a sorte
de possuí-la
por, talvez,
apenas um dia...

Resta-me então,
freqüentar
aquela beira de abismo

observa-la
amando-a apenas em poesia.



Mmartins
novembro 2009